recipiente de vidro com cereal integral, o millet com flores de fundo

Os Cereais Integrais que Utilizamos

Os cereais integrais que utilizamos

Agora que já sabemos o que são os cereais integrais, apresento-vos alguns dos cereais integrais que utilizamos e que não podem faltar cá em casa:

 

– Arroz integral –

Tem um valor nutricional muito superior ao arroz branco, nomeadamente em vitaminas do grupo B e proteína. É rico em aminoácidos, magnésio, ferro e outros minerais.

Ajuda a purificar o sangue e a equilibrar os seus níveis de açúcar. Acelera a eliminação de toxinas.

É muito usado para tratar problemas intestinais. É eficaz no controlo de diabetes. Não contém glúten.
Também há a versão glutinoso que se chama assim por ficar “pegajoso” após cozer.

– Aveia –

É um cereal muito versátil e um dos mais ricos em proteínas, fibras, ferro e zinco. Pode ser usado em grão, flocos ou farinha. Não contém glúten mas durante o cultivo e processamento cruza-se com outros cereais, pelo que pode conter glúten.
É muito bom para crianças, bebés e mães em período de amamentação.
É usada para melhorar problemas do sistema nervoso, depressão assim como a debilidade sexual.

Os flocos devem ser cozidos com água e não com leite.

– Bulgur –

É obtido a partir dos grãos de trigo parcialmente cozidos, secos e triturados. Contém glúten.
É uma óptima alternativa ao arroz e cozinha-se de igual forma, se bem que é muito mais rápido a fazer.

 

– Cevada –

É um cereal com um sabor suave. É rico em proteínas, ferro e zinco. Contém glúten.
Deve ser cozido como o arroz e fica muito saboroso cozinhado em conjunto com o arroz, em sopas e em estufados de vegetais e/ou feijões.
Este cereal é muito indicado para os bebés.
É bom para perder peso, baixar os níveis de colesterol, triglicéridos ou dissolver quistos ou cálculos. Tem efeitos diuréticos e fortalece os intestinos. Para além disso tudo é recomendado para as dores nas articulações e ajuda em casos de cancro da mama (por causa da sua propriedade de dissolver gordura).

 

– Espelta –

É um cereal próximo do trigo mas com teor mais reduzido de glúten embora mais completo e equilibrado que o trigo comum. É um óptimo substituto para a farinha de trigo. Utilizo muito esta forma para fazer pão, scones, panquecas, etc.

 

– Millet ou milho painço –

É um cereal muito antigo. Não contém glúten e é rico em vitamina A e do complexo B. É particularmente rico em ferro, é diurético e antifúngico.
É especialmente indicado na infância por ser muito alcalino, de fácil digestão e pelas suas propriedades anti-diarreicas.
Pode cozinhar-se em conjunto com o arroz, adicionado a sopas para dar consistência ou então como empadões ou purés.

 

– Quinoa –

Não é um cereal mas usualmente é utilizado como sendo um. Fornece proteínas completas com todos os aminoácidos essenciais e um elevado teor de ferro, cálcio, magnésio e zinco. Não tem glúten.
Quando cozinhado com legumes pode constituir uma refeição nutricionalmente completa.

 

– Trigo –

É o cereal por excelência do nosso país, normalmente usado em massas ou pão. Contém glúten.
É bom para quem tem que despender muito esforço físico.
O grão pode ser usado na sua forma integral e fica muito saboroso quando cozinhado com feijão ou arroz integral (3 partes de arroz para 1 de trigo).

 

– Trigo serraceno –

Não é um cereal mas sim um grão e não contém glúten.

É muito bom para adquirir vitalidade e para nos ajudar a adaptar ao tempo frio. Pode ser usado como arroz ou sob a forma de farinha. Também dá para fazer umas papinhas óptimas para o pequeno almoço.

 

A importância da demolha

É aconselhado demolhar os cereais, no mínimo, durante cerca 6h a 8h  antes de serem cozinhados. Não só ficam mais saborosos como ajuda a desdobrar o ácido fítico (que é um anti-nutriente), tornando mais fácil a digestão e a absorção de diferentes minerais, nomeadamente o zinco, ferro, magnésio e cálcio.
A água que se utilizou para a demolha deve ser sempre descartada.

Particularmente, a quinoa e o millet devem demolhar-se por causa das saponinas (são um químico natural que confere um sabor amargo), que protegem os grãos dos insectos e das altas temperaturas. Estes devem ser demolhados durante breves minutos e depois lavados com água fria.

2 comentários em “Os Cereais Integrais que Utilizamos”

  1. Olá, sou a Sara, e sou de Sintra
    Gostei muito deste artigo, fiquei a saber informação que desconhecia, e que é útil no meu dia a dia
    Gostava de saber como me posso subscrever a este blog para receber notificações de cada vez que publicam algo
    Cumprimentos e bom trabalho

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.